Visualizações de página do mês passado

segunda-feira, 10 de março de 2014

15 frutas e vegetais que renegam suas raízes

Algumas frutas e vegetais são simplesmente frutas e vegetais e vivem bem com esse fato. Já outros resolvem renegar suas raízes e lutam com todas as forças para assumir outras formas. Temos 15 bons exemplos a seguir de plantas que, digamos, alcançaram seus objetivos.
Brincadeiras a parte, há toda uma variedade de razões para que uma fruta ou vegetal adquira formas tão estranhas. A mais comum é quando ocorre um dano no tecido. Se alguma parte da planta é marcada, especialmente durante as primeiras fases de crescimento, o desenvolvimento pode ficar mais lento na região danificada – o que faz a planta crescer de forma desordenada.
No caso de vegetais de raiz, a fertilização do solo inconsistente também pode causar crescimento bizarro. A cenoura, por exemplo, pode se ramificar e crescer “braços” não planejados pela natureza.
“Mas se o crescimento é tão desordenado assim nesses casos, por que a gente consegue identificar várias formas?”
Excelente pergunta! E a resposta é tão fascinante que até já foi tema para um artigo aqui no HypeScience!
A verdade é que existe uma explicação evolucionária para o fato de vermos rostos e formas reconhecíveis mesmo onde elas não existem. E essa explicação se chama pareidolia. A pareidolia é o fenômeno psicológico que envolve um estímulo vago e aleatório (geralmente um som ou uma imagem) sendo percebido por nós como algo distinto e com significado. Ou seja: algumas coisas não tem significado especial algum, a não ser que você queira que tenha.
As 15 imagens a seguir são um excelente exemplo para esse fenômeno. [Bored Panda]

15. O nabo sofisticado

Fonte : 15 frutas e vegetais que renegam suas raízes

Um comentário:

Baldoino Soares Badu disse...

É Coisas estranhas acontecem no mundo dos vegetais, mas é bom conhecer como isso acontece.
Bem meu médico proibiu o consumo de raízes de qualquer tipo, pois diz que para o diabético isso é proibitivo, com isso me sinto mais tranqüilo, mas que a matéria é interessante ah é.