Visualizações de página do mês passado

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Estudo revela beija-flor de 22 milhões de anos de história que continua a evoluir e produzir novas espécies

Enquanto alguns param para admirar os beija-flores e captar imagens incríveis de seu voo em câmera superlenta, outros param para estudá-lo. E o resultado desses muitos estudos revelam que esses animais vão além do que os olhos podem ver.
Com uma história complicada espalhada por milhões de anos, eles continuam a evoluir até hoje, produzindo várias novas e diversificadas espécies. Como parte de um novo estudo, os pesquisadores construíram uma nova árvore genealógica para o beija-flor, usando informações genéticas de 451 aves de 284 espécies de beija-flores e seus parentes mais próximos.
Após analisarem os dados que tinham em mãos, descobriram que a pequena criatura que é dona do coração mais rápido do planeta se originou na Eurásia, cerca de 42 milhões de anos antes de se espalhar pela América do Sul, o que aconteceu há cerca de 22 milhões de anos. O pássaro, em seguida, se espalhou rapidamente por todo o continente sul-americano, evoluiu para desenvolver cores iridescentes (que refletem as cores do arco-íris) e, posteriormente, mudou-se para o norte para ocupar a região do Caribe e a América do Norte.
Segundo os pesquisadores, depois de atingir a América do Sul, os beija-flores se espalharam rapidamente e evoluíram novas espécies representadas por nove grupos distintos.
“Nosso estudo fornece uma imagem muito mais clara sobre como e quando os beija-flores passaram a ser distribuídos onde estão hoje”, explicou Jimmy McGuire, professor associado da UC Berkeley e principal autor do estudo. “Nós não estamos nem perto de determinar o número máximo de espécies de beija-flor. Se os seres humanos não estivessem por perto, eles simplesmente continuariam em sua maneira alegre, evoluindo novas espécies ao longo do tempo”, completou.
Fonte :Estudo revela beija-flor de 22 milhões de anos de história que continua a evoluir e produzir novas espécies

Um comentário:

Baldoino Soares Badu disse...

É poderiamos contar muitas historias do nosso amiguinho, não é a toa que foi escolhido como ave simbolo da Associação Brasil Parkinson - ABP.
Isso já foi contado em nossas paginas basta retroceder no tempo.