Visualizações de página do mês passado

sábado, 4 de outubro de 2014

AFINAL, O QUE É A DOENÇA DE PARKINSON (DP)?

Doença de Parkinson afeta milhões de pessoas em todo o mundo e, embora não tenha cura, a verdade é que não coloca em risco a vida do doente, mas sim altera-a profundamente. Saiba quais os principais cuidados a ter com uma pessoa que sofre da doença de Parkinson.

A Doença De Parkinson Requer Tempo E Paciência

Quem sofre da doença de Parkinson vê a sua vida a abrandar drasticamente, uma vez que a mobilidade limitada e mais lenta faz com que todas as tarefas diárias se realizem muito mais devagar. Quem lida com um doente com Parkinson também precisa de interiorizar esta nova realidade – as novas palavras de ordem são tempo e paciência. Se expressa a sua impaciência e pressa ao doente, ele provavelmente tentará apressar-se mas, não conseguindo, irá ficar frustrado e até zangado, tornando todo o processo ainda mais lento. Quando acompanhar o doente com Parkinson em qualquer atividade ou tarefa, certifique-se que tenha tempo suficiente para completá-la. A paciência vai-se ganhando, basta imaginar-se na situação do doente.

Cansaço E Pausas
Embora o doente com Parkinson efetue a sua rotina diária muito devagar e, com o passar dos anos, de forma cada vez mais lenta, o cansaço é um dos principais sintomas desta doença e outro obstáculo no dia-a-dia de quem vive com Parkinson. Saiba que quem tem esta doença precisa de descansar várias vezes ao dia, normalmente entre cada atividade realizada e por vezes até a meio das mesmas – algumas das quais podem ter mesmo de ficar por terminar. As noites bem dormidas são essenciais para os doentes com Parkinson (de preferência com a cabeça ligeiramente elevada), mas como as insónias são um dos sintomas recorrentes nesta doença, a pessoa deve evitar dormir demasiado durante o dia. Procure formas de ajudar e facilitar a vida do doente, para que este possa conservar o máximo de energia possível – se fizer demais num dia, no dia seguinte poderá ter de ficar em repouso.

Em Casa
Quer o doente com Parkinson viva sozinho ou com familiares, é importante que a sua casa esteja preparada adequadamente para facilitar a sua vida e ultrapassar as limitações impostas pela própria doença. Pequenas adaptações como: organizar a cozinha, casa de banho/banheiro, quarto e outras divisões de forma a colocar os objetos mais utilizados num local de fácil acesso; retirar tapetes escorregadios e ocultar fios elétricos; instalar um chuveiro de mão e uma cadeira de banho; colocar uma sanita mais elevada na casa de banho; ajustar a altura da cama; instalar barras de apoio nas divisões mais frequentadas (junto à cama, no WC, nos corredores…). Embora se deva estimular a independência do doente com Parkinson, poderá ser preciso ajudá-lo nas limpezas domésticas, nas compras de supermercado e no tratamento da roupa (lavar, estender, apanhar passar a ferro) ou então contratar alguém para o efeito.

Alimentação
A perda de peso e a obstipação são dois sintomas que afetam, frequentemente, os doentes com Parkinson. Nesse sentido, é importante manter uma dieta equilibrada, com particular destaque para as fibras. A perda de peso em doentes com Parkinson deve-se a vários fatores: os tremores frequentes queimam muitas calorias; as alterações cerebrais podem suprimir o apetite e/ou acelerar o ritmo metabólico; as náuseas e alterações do sentido de olfato frequentemente sentidas por estes doentes podem diminuir a vontade de comer; o cansaço e a fraqueza dos braços pode tornar a hora das refeições extremamente cansativa e o doente acaba por desistir; dificuldades em mastigar e engolir podem ter o mesmo efeito. Como ajudar? Proporcionar alimentos que são fáceis de ingerir e com uma apresentação e aroma atrativos; disponibilizar talheres leves e de fácil manuseamento; utilizar palhinhas sempre que possível; evitar pressas à hora das refeições; fazer várias refeições ao longo do dia, mas mais pequenas para evitar o cansaço.

Medicamentos
A toma dos medicamentos prescritos para a doença de Parkinson é fundamental porque ajudam a atenuar ou a estabilizar os principais sintomas, conferindo uma maior qualidade de vida ao doente. Faça questão de administrar os fármacos diariamente, à mesma hora, sendo mais fácil gerir a sua distribuição ao longo do dia com o recurso a uma caixa própria para compridos, dividida para acompanhar as principais refeições. Siga sempre as indicações do médico e nunca altere a dosagem sem o seu consentimento. Leia atentamente todos os folhetos informativos, de forma a familiarizar-se com as possíveis interações medicamentosas e efeitos secundários, informando de imediato o médico se o doente não se sentir bem com qualquer medicamento. Por outro lado, também é importante registar quais os medicamentos que melhore funcionam com o doente.

Higiene Pessoal

A higiene pessoal é precisamente isso – muito pessoal e o doente com Parkinson deve ser incentivado a tratar de si sozinho, o máximo possível, pedindo ajuda sempre que necessário, claro está. Existem várias formas de ajudar o doente indiretamente: motive-o a realizar a sua higiene pessoal sentado (secar e pentear o cabelo, lavar os dentes, colocar creme…); providencie uma escova de dentes elétrica (mais prática, menos cansativo); as escovas de cabelo devem ter pegas adequadas; utilizar um roupão de banho em vez de uma toalha; evitar banhos muito quentes, uma vez que podem contribuir para o cansaço. Mesmo o ato de vestir e de calçar deve ser maioritariamente feito na posição sentada para evitar fadiga desnecessária e eventuais desequilíbrios.

Exercício Físico

Pode parecer um contrassenso mas a prática regular de exercício físico pode contribuir para o aumento dos benefícios dos medicamentos de Parkinson, pode combater a depressão e ajudar o doente a sentir-se bem física e mentalmente. São três os principais tipos de exercício que um doente com Parkinson deve procurar praticar: alongamentos para assegurar a flexibilidade das articulações e dos tecidos moles; exercícios de resistência para fortalecer os músculos abdominais e de costas; exercício aeróbico para manter a saúde cardio-respiratória. Desde natação, ioga, pilates ou simples caminhadas, o importante é manter o doente ativo, motivando-o com a organização de atividades desportivas divertidas, em grupo ou acompanhadas por um amigo ou familiar. Outra alternativa é a fisioterapia – consulte o médico do doente antes de iniciar qualquer tipo de tratamento.

Lazer E Convívio
É fundamental manter um doente com Parkinson ativo, independente e interessado pela vida – afinal de contas, essa pessoa pode continuar a desfrutar das coisas boas da vida, estas requerem apenas algumas pequenas alterações. Apesar de a mobilidade ser o principal obstáculo na vida de um doente com Parkinson, há que manter essa pessoa mentalmente ativa, estimulando a sua criatividade, inteligência e imaginação. Entre a leitura, a jardinagem, o cinema e a música, existem um sem número de atividades que podem trazer experiências positivas para uma pessoa que sofre de Parkinson – para além de promover antigos passatempos e gostos, incentive a pessoa a procurar novas ocupações. Os doentes com Parkinson têm uma tendência natural para se isolarem socialmente, uma vez que sentem já não serem a pessoa que eram e têm receio e/ou vergonha da reação das outras pessoas. A doença de Parkinson não significa o fim da vida, mas sim o início de um novo capítulo, onde continua a haver espaço para a família, os amigos e o convívio social. O isolamento, pessoal ou profissional (muitos doentes com Parkinson continuam a trabalhar durante muito tempo) é algo que deve ser evitado ao máximo.

Apoio Emocional

Cerca de 50% dos doentes com Parkinson sofre de depressão numa ou noutra altura da sua doença – é natural, tendo em conta as suas crescentes limitações e dependência nos outros. Alguns dos principais sinais aos quais é necessário estar atento incluem: ansiedade, apatia, irritabilidade, tristeza, fadiga, perturbações de sono, problemas de concentração, sentimentos de inferioridade, baixa autoestima, isolamento, perda da vontade de socializar, perda de apetite, perda ou aumento de peso, falta de libido, tendências suicidas. Embora uma depressão deva ser acompanhada por um médico, existem várias coisas que pode fazer para animar o doente e ajudá-lo a ver a sua nova realidade com outros olhos: passar tempo de qualidade juntos, organizar programas divertidos, envolver a família e amigos do doente. Principalmente, ser um bom ouvido e assegurar ao doente com Parkinson que está do seu lado para tudo aquilo que for preciso.

Artigos: 
Doenças

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito esclareçedor para q os familiares entendam por tudo q passa e sente o doente.

silvia bertulucci disse...

Preciso de ajuda urgente: